em




       Receba nossos boletins em
       seu e-mail:




  Cadastre-se em nosso site, divulgue
  sua clínica, encontre artigos, cursos,
  escalas, congressos, vídeos, teste
  seus conhecimentos...
                         Saiba mais




  Grupo de discussão para troca de
  informações entre mães, boletins de
  orientação, serviços de atendimento
  a deficientes...
                         Saiba mais

Enquete

Destaque

Livros

Busca rápida

Informações

Ferramentas
A influência dos amigos no consumo de drogas... - 16/05/2016
Internacionalização da investigação e do ensi... - 16/05/2016
Tipo de ensino e autoconceito artístico de... - 16/05/2016
Recasamento: percepções e vivências dos... - 16/05/2016
Criança no tratamento final contra o câncer... - 16/05/2016
Relação entre bullying e sintomas depressivos... - 16/05/2016
Desempenho operatório de crianças com queixas... - 16/05/2016
Cuidado e desenvolvimento em crianças escolar... - 16/05/2016
A relação mãe-criança durante o atendimento... - 16/05/2016
Escala de Estratégias de Coping na adolescên... - 16/05/2016
Estudo indica que autismo pode ser identifica... - 11/08/2015
A criança com autismo... - 11/08/2015
Esporte: uma arma infalível no tratamento do... - 11/08/2015
Médicos e pais enfatizam importância do di... - 11/08/2015
Alunos autistas do Recife recebem aulas com r... - 11/08/2015
Escola municipal do Recife limita frequência... - 11/08/2015
O mundo de uma garota com autismo... - 11/08/2015
Estudante com autismo passou 5 anos sem con... - 11/08/2015
Estudo genético liga inteligência a risco de... - 11/08/2015
Monumentos ficam azuis para o Dia Mundial do... - 11/08/2015

Bookmark e Compartilhe
Biblioteca de Pais
O BRINCAR INFANTIL

Francisco B. Assumpção Jr.

1 de abril de 2008

                                   O BRINCAR INFANTIL

 

 

                                                           Francisco B. Assumpção Jr.

 

 

            Durante o primeiro ano de vida , a criança brinca básicamente com seu próprio corpo a partir da necessidade de reconhecê-lo e diferenciá-lo das outras pessoas.

            Assim, surgem jogos repetitivos com as mãos e pés, bem como atividades ritualísticas de balanceios de corpo e cabeça.

            Ao final do segundo ano entretanto, ela passa a fazer aquilo que chamamos de jogos de imitação onde ela experimenta atividades que irá desenvolver mais tarde, “copiando” atos do cotidiano. Assim, é muito freqüente que, ao chegarmos em casa, encontremos o filho deitado, de olhos fechados e que, ao ser questionado, responda que “está fingindo que está dormindo”.

            Até este momento, a utilização de material lúdico é sempre com características sensoriais e, práticamente, sem significado.

            A partir dos dois anos a situação já muda de figura.

            Com o advento da função simbólica, a partir da qual a criança é capaz de representar através de um símbolo, um fato, um objeto ou uma pessoa, ela passa a ter aquilo que chamamos de jogo simbólico através do qual não somente reproduz, mas também “corrige” atitudes e atividades do cotidiano.

            Assim, quando a menina de 3-4 anos de idade brincando com sua boneca, diz a ela para ir dormir senão apanha , porém, após pausa, continuar dizendo que “como foi boazinha, poderá continuar assistindo mais um pouco de TV”, não somente está reproduzindo as atitudes da mãe na primeira parte do diálogo, como está alterando essa conduta de forma que lhe seja tolerável.

            Isso porque ela, como qualquer ser vivo, quer ser satisfeita, porém ela entra em um mundo bastante estruturado onde, através do processo educativo, tem que se adaptar de modo a respeitar os valores estabelecidos socialmente.

            Entretanto, como as noções de real e imaginário ainda não estão definidas, o brincar serve para que ela  adapte sua vontade às exigências sociais.

            Da mesma maneira, exatamente porque o processo de socialização também ainda se encontra em fase de estruturação, o brincar permanece  num momento onde as crianças brincam uma ao lado da outra, com pequena interação e com os jogos  ocorrendo  de forma paralela e sem regras.

            São típicos desse período os jogos com os quais a criança brinca isoladamente sem grandes interações interpessoais.

            Ao redor da idade escolar, entre 6 e 7 anos de idade, o panorama  se delineia  de maneira diferente ,com os jogos se estruturando de modo concreto, definindo-se regras que são um treinamento para o convívio social e, também são de caráter construtivo,  uma vez que a sua capacidade lhe permite transformar  um projeto bidimensional ( planta de um carrinho ou de uma casinha) em um objeto tridimensional real e concreto.

            Assim, neste momento os brinquedos já mostram uma adequação bem grande, com as regras sendo claras e obedecidas. ë fácil se observar isso quando vemos um grupo de garotos de 8 anos jogar futebol, divididos em dois times e respeitando as regras conhecidas do jôgo. Da mesma maneira, brinquedos como o Lego ou outros jogos de montar são bastante interessantes  uma vez que permitem à criança o desenvolvimento de sua criatividade e de sua imaginação.

            Dessa maneira, algumas considerações devem ser feitas.

            Os brinquedos, apesar de toda a massificação a que são submetidos, representam um elemento importante do universo infantil, servindo para que a criança  interaja, através dele, com seu universo criando-o simultâneamente.

            Brinquedos muito sofisticados e muito estruturados não são, obrigatoriamente os melhores para isso, uma vez que são construídos visando muito mais aspectos estéticos e sedutores em relação ao adulto que em consideração às necessidades da própria criança. essa é a razão pela quial muitas vezes, mesmo com um brinquedo bonito e caro a sua disposição, prefere utilizar material não estruturado, sucata melhor dizendo, com as quais imagina jogos e objetos que lhe servirão para essa construção.

            Assim, mesmo sabendo que apesar de toda a publicidade, a criança só utilizará por mais tempo (depois de passada a curiosidade da descoberta) brinquedos que realmente tenham a ver com seu desenvolvimento, não podemos esquecer que o brincar é algo muito sério que possibilitará o desenvolvimento e a adequação da criança com seu ambiente social e familiar.


Psiquiatria Infantil.com.br - Todos os direitos reservados © 2006 - 2020   Política de Privacidade   Termos e Condições de uso   Reprodução de conteúdo   Informações
Prof. Dr. Francisco Baptista Assumpção Jr.
Rua dos Otonis, 697 - São Paulo - SP
Telefone: (11) 5579 2762 - Tel/FAX: (11) 5579 7195
www.psiquiatriainfantil.com.br

Voltar ao Topo