em




       Receba nossos boletins em
       seu e-mail:




  Cadastre-se em nosso site, divulgue
  sua clínica, encontre artigos, cursos,
  escalas, congressos, vídeos, teste
  seus conhecimentos...
                         Saiba mais




  Grupo de discussão para troca de
  informações entre mães, boletins de
  orientação, serviços de atendimento
  a deficientes...
                         Saiba mais

Enquete

Destaque

Livros

Busca rápida

Informações

Ferramentas
A influência dos amigos no consumo de drogas... - 16/05/2016
Internacionalização da investigação e do ensi... - 16/05/2016
Tipo de ensino e autoconceito artístico de... - 16/05/2016
Recasamento: percepções e vivências dos... - 16/05/2016
Criança no tratamento final contra o câncer... - 16/05/2016
Relação entre bullying e sintomas depressivos... - 16/05/2016
Desempenho operatório de crianças com queixas... - 16/05/2016
Cuidado e desenvolvimento em crianças escolar... - 16/05/2016
A relação mãe-criança durante o atendimento... - 16/05/2016
Escala de Estratégias de Coping na adolescên... - 16/05/2016
Estudo indica que autismo pode ser identifica... - 11/08/2015
A criança com autismo... - 11/08/2015
Esporte: uma arma infalível no tratamento do... - 11/08/2015
Médicos e pais enfatizam importância do di... - 11/08/2015
Alunos autistas do Recife recebem aulas com r... - 11/08/2015
Escola municipal do Recife limita frequência... - 11/08/2015
O mundo de uma garota com autismo... - 11/08/2015
Estudante com autismo passou 5 anos sem con... - 11/08/2015
Estudo genético liga inteligência a risco de... - 11/08/2015
Monumentos ficam azuis para o Dia Mundial do... - 11/08/2015

Bookmark e Compartilhe
Biblioteca de Pais
CONVIVER COM OUTRAS CRIANÇAS

Francisco B. Assumpção Jr.

9 de maio de 2008

                                   CONVIVER COM OUTRAS CRIANÇAS

 

                                                               Francisco B. Assumpção Jr.

 

 

            A criança só convive com adultos e quando encontra outra criança, se assusta, chora e não brinca. O que fazer ?

 

            A criança, até aproximadamente 8 meses de idade, encontram-se em uma fase de desenvolvimento na qual não conseguem reconhecer, de modo adequado, as pessoas que a cercam, atribuindo o significado correto. Por essa razào, é muito fácil ouvirmos alguém falar que ela é “boazinha” uma vez que vai no colo e brinca com qualquer um que dela se aproxime.

            Entretanto, a partir dessa idade aproximadamente, ela adquire algumas características, dentro de seu processo de desenvolvimento que a fazem reconhecer, de maneira extremamente significativa, sua mãe, ou a pessoa que lhe dispensa cuidados.

            Somente a partir do segundo ano de vida é que essa criança passa a incorporar em seu universo, outros elementos da família, caracterizando aquilo que chamamos socialização familiar.

            Isso faz com que, nesse momento, ainda reaja, de modo desagradável,  pessoas estranhas que dela se aproximem.

            Quanto ao brincar, até por voltas dos 4 anos de idade, ela também tem  dificuldades em estabelecer padrões de jogo comunal, fazendo aquilo que é chamado de “brinquedo paralelo”, ou seja, ela brinca ao lado da outra criança, sem no entanto, interagir com ela, e, muitas vezes, estranhando a sua participação e fazendo-a difícil em função de não ter condições de interagir nem de dividir seu material lúdico.

            Só a partir dos 6-7 anos de idade é que a criança vai poder participar, e estruturar, jogos de regras, que são aqueles que imaginamos quando pensamos em brincar.  Assim, jogar bola, ou quaisquer outros jogos, sómente serão levados a contento a partir dessa idade. Também os jogos de construção, tipo LEGO, são utilizados adequadamente a partir dessa idade. Por isso, não adianta se exigir  da criança, mais do que aquilo que ela tem condições de oferecer pelo seu desenvolvimento.

            Com um ano e três meses, seu filho provávelmente ainda tem dificuldades de incorporar outros elementos  adultos em seu universo, embora não os estranhe talvez pela convivência ou porque a aproximação deles é mais fácil. Entretanto, a aproximação de outras crianças é feita quase sempre, de maneira mais desajeitada, o que “assusta” e faz com que seu filho reaja.

            O contato gradativo e prazeiroso com as outras pessoas, inclusive crianças, é que fará com que ela se socialize de maneira adequada. Assim, não pode se perder a dimensão de que embora a mãe deva favorecer o desenvolvimento social da criança, esse é um papel predominantemente afetivo e não técnico. Assim, não existem receitas práticas. A única forma ainda capaz de proporcionar a seu filho uma adequação e um desenvolvimento razoáveis, é você cumprir com um papel, com o qual a espeçie humana tem familiaridade há mais de um milhão de anos. Simplesmente “ser mãe”!


Psiquiatria Infantil.com.br - Todos os direitos reservados © 2006 - 2020   Política de Privacidade   Termos e Condições de uso   Reprodução de conteúdo   Informações
Prof. Dr. Francisco Baptista Assumpção Jr.
Rua dos Otonis, 697 - São Paulo - SP
Telefone: (11) 5579 2762 - Tel/FAX: (11) 5579 7195
www.psiquiatriainfantil.com.br

Voltar ao Topo