SAÚDE MENTAL INFANTIL

Biblioteca de Pais

Textos elaborados pensando em facilitar aos pais e aos cuidadores.

  Voltar para a Biblioteca de Pais

ADOÇÃO NA CRIANÇA



Francisco B. Assumpção Jr.

Publicado em 18 de maio de 2007


ADOÇÃO NA CRIANÇA

 

Francisco B. Assumpção Jr.

 

           A adoção de uma criança é um ato meritório, porém envolve algumas dificuldades entre as quais essa que você nos conta.

            É impossível que uma criança, durante seu crescimento não descubra o fato ou através de outras pessoas ou simplesmente analisando a questão. Entretanto, essa descoberta não é fácil e é bastante desagradável uma vez que envolve um dado real que é o fato de que, se ao adotá-lo a senhora demonstra amor e carinho, é impossível que ele não pense que ao deixá-lo sua mãe real não o queria. Assim, quando diz que vai procurá-la, além de toda a curiosidade envolvida, existem também a revolta pelo abandono e a busca de explicações que o satisfaçam.

            Não existem receitas para a maneira como tratá-lo, porém é muito importante que a senhora saiba que essa revolta inicial continuará por um bom tempo, necessitando que o fato seja considerado muitas vezes, de diferentes maneiras e sem que seja desvirtuado, por mais doloroso que, aparentemente, isso possa ser.

            A atitude dele reflete também uma negativa diante de algo extremamente doloroso e que ele prefere evitar. Assim sendo, embora digna de cuidados, a forma de reação é compreensível, devendo ser considerada.

            Embora todos esses fatos possam ser contornados e explicados, ele precisará de tempo e de apoio (seu e, muitas vezes de um profissional especializado) para que ultrapasse essa descoberta que, convenhamos, é bastante traumática para uma criança que tem, como objetivo principal, ser o ponto mais importante de seu universo familiar.

            Quanto a sua filha, existem épocas em que a criança tem dúvidas sobre se é filha real ou adotiva. Entretanto, essas dúvidas se diluem com o tempo e com a percepção do afeto que envolve seu relacionamento com a família.

O portal Psiquiatria Infantil.com.br já recebeu

47.702.883 visitantes