em




       Receba nossos boletins em
       seu e-mail:




  Cadastre-se em nosso site, divulgue
  sua clínica, encontre artigos, cursos,
  escalas, congressos, vídeos, teste
  seus conhecimentos...
                         Saiba mais




  Grupo de discussão para troca de
  informações entre mães, boletins de
  orientação, serviços de atendimento
  a deficientes...
                         Saiba mais

Enquete

Destaque

Livros

Busca rápida

Informações

Ferramentas
A influência dos amigos no consumo de drogas... - 16/05/2016
Internacionalização da investigação e do ensi... - 16/05/2016
Tipo de ensino e autoconceito artístico de... - 16/05/2016
Recasamento: percepções e vivências dos... - 16/05/2016
Criança no tratamento final contra o câncer... - 16/05/2016
Relação entre bullying e sintomas depressivos... - 16/05/2016
Desempenho operatório de crianças com queixas... - 16/05/2016
Cuidado e desenvolvimento em crianças escolar... - 16/05/2016
A relação mãe-criança durante o atendimento... - 16/05/2016
Escala de Estratégias de Coping na adolescên... - 16/05/2016
Estudo indica que autismo pode ser identifica... - 11/08/2015
A criança com autismo... - 11/08/2015
Esporte: uma arma infalível no tratamento do... - 11/08/2015
Médicos e pais enfatizam importância do di... - 11/08/2015
Alunos autistas do Recife recebem aulas com r... - 11/08/2015
Escola municipal do Recife limita frequência... - 11/08/2015
O mundo de uma garota com autismo... - 11/08/2015
Estudante com autismo passou 5 anos sem con... - 11/08/2015
Estudo genético liga inteligência a risco de... - 11/08/2015
Monumentos ficam azuis para o Dia Mundial do... - 11/08/2015

Bookmark e Compartilhe
Biblioteca de Pais
BIOLOGIA E COMPORTAMENTO

Francisco B. Assumpção Jr.

20 de fevereiro de 2008

 

                                   BIOLOGIA E COMPORTAMENTO

 

 

 

                                                                       Francisco B. Assumpção Jr.

 

 

 

            Há algum tempo, importante revista americana, a “New Scientist” publicou um artigo bastante interessante sobre mães que não estabelecem comportamentos de ligação afetiva com seus bebês em função de alterações no metabolismo de determinados neurotransmissores, no caso, a noradrenalina.

            Segundo o artigo, essas alterações metabólicas, observadas em animais de laboratório, ligariam comportamentos maternos a atividade cerebral e a mecanismos genéticos de transmissão, trazendo a baila uma questão de extrema importância correspondente a características individuais, puramente biológicas, como responsáveis por manifestações comportamentais bastante sofisticadas como, no caso, comportamento maternal.

            Claro que quando falamos de psiquismo, falamos de fenômenos que acontecem “dentro do cérebro” e não “acima dele” e portanto, esses fenômenos logicamente envolvem trocas químicas e mecanismos genéticos de transmissão.

            Entretanto, essas características biológicas são plásticas na espécie humana o que faz com que suas condutas sejam profundamente afetadas por variações ambientais de maneira que o ser humano se constitua em uma espécie adaptável à grande parte das variações.

            Assim, um comportamento sofisticado como o comportamento maternal envolve uma infinidade de outros fatores além da química cerebral, embora essa não possa ser, “a priori”, desprezada.

            Milhões de anos de evolução tanto em seus aspectos biológicos como nos aspectos comportamentais fizeram com que o homem se constituísse talvez  no mais complexo ser vivo sobre a Terra. Assim, reduzi-lo a causalidades lineares diretas do tipo “alterações químicas específicas provocam comportamentos determinados” ou “ traumas psíquicos característicos são os responsáveis diretos por outros comportamentos complexos” tem que ser visto, no mínimo, como uma simplificação ingênua.


Psiquiatria Infantil.com.br - Todos os direitos reservados © 2006 - 2020   Política de Privacidade   Termos e Condições de uso   Reprodução de conteúdo   Informações
Prof. Dr. Francisco Baptista Assumpção Jr.
Rua dos Otonis, 697 - São Paulo - SP
Telefone: (11) 5579 2762 - Tel/FAX: (11) 5579 7195
www.psiquiatriainfantil.com.br

Voltar ao Topo