em




       Receba nossos boletins em
       seu e-mail:




  Cadastre-se em nosso site, divulgue
  sua clínica, encontre artigos, cursos,
  escalas, congressos, vídeos, teste
  seus conhecimentos...
                         Saiba mais




  Grupo de discussão para troca de
  informações entre mães, boletins de
  orientação, serviços de atendimento
  a deficientes...
                         Saiba mais

Enquete

Destaque

Livros

Busca rápida

Informações

Ferramentas
A influência dos amigos no consumo de drogas... - 16/05/2016
Internacionalização da investigação e do ensi... - 16/05/2016
Tipo de ensino e autoconceito artístico de... - 16/05/2016
Recasamento: percepções e vivências dos... - 16/05/2016
Criança no tratamento final contra o câncer... - 16/05/2016
Relação entre bullying e sintomas depressivos... - 16/05/2016
Desempenho operatório de crianças com queixas... - 16/05/2016
Cuidado e desenvolvimento em crianças escolar... - 16/05/2016
A relação mãe-criança durante o atendimento... - 16/05/2016
Escala de Estratégias de Coping na adolescên... - 16/05/2016
Estudo indica que autismo pode ser identifica... - 11/08/2015
A criança com autismo... - 11/08/2015
Esporte: uma arma infalível no tratamento do... - 11/08/2015
Médicos e pais enfatizam importância do di... - 11/08/2015
Alunos autistas do Recife recebem aulas com r... - 11/08/2015
Escola municipal do Recife limita frequência... - 11/08/2015
O mundo de uma garota com autismo... - 11/08/2015
Estudante com autismo passou 5 anos sem con... - 11/08/2015
Estudo genético liga inteligência a risco de... - 11/08/2015
Monumentos ficam azuis para o Dia Mundial do... - 11/08/2015

Bookmark e Compartilhe
Biblioteca de Pais
BRINCANDO COM SEU FILHO

Francisco B. Assumpção Jr.

3 de março de 2008

 

 

                        BRINCANDO COM SEU FILHO

 

                                               Francisco B. Assumpção Jr.

 

 

            Normalmente quando pensamos em uma criança e em interagir com ela, habitualmente nos vemos sendo quase que forçados a participar de uma série de atividades com as quais não temos nenhuma identificação (pois são coisas de crianças) e que executamos porque faz parte do nosso papel de pai ( ou mãe).

            Entretanto temos que pensar que o brincar, paralelamente ao fazer parte do universo infantil, se constitue em uma das poucas formas que a criança possue para se relacionar e para manifestar seus desejos, fantasias, medos e expectativas.

            Concomitantemente, o adulto ao brincar retorna ao seu universo infantil e com isso revive episódios muitas vezes esquecidos e mal elaborados que produzem ansiedade ou tristeza. isso sem se contar que, a partir de uma educação predominantemente pragmática, somos ensinados que "brincar" se constitue em perda de tempo uma vez que corresponde a uma atividade não produtiva.

            Assim, cada vez mais a relação adulto-criança vai se distanciando com aqueles tornando-se mais condescendente na entrada da criança em seu universo para frustrar-se menos e poder também ceder menos. Em contrapartida a criança vai mais e mais perdendo sua capacidade de criar livremente a partir de sua própria fantasia, enredando-se em um universo rígido e com pequenas possibilidades de alterações uma vez que se adapta ao real de seus pais e responsáveis.

            Dessa maneira restringe-se a capacidade de diálogo entre ambos os grupos e a possibilidade do desenvolvimento da criatividade da criança. Isso porque ao brincar estabelece-se um diálogo imaginário onde são subvertidas as normas e regras do cotidiano estabelecendo-se uma relação onírica que transcende os simples papéis educativos presentes no relacionamentos pais-filhos.

            Assim, mais do que simplesmente cumprir o papel de pais, ao brincar com seus filhos de maneiras livres e criativas, possibilita-se uma relação de afeto onde ambos os participantes aprendem a se conhecer no mais íntimo de seu ser independentemente das normas préviamente estabelecidas e dos rituais que permeiam as relações familiares.

            Mais que isso, é possibilitar a criança possibilidades de crescimento mais saudáveis que lhe permitam tornar-se um adulto mais criativo e consciente de suas possibilidades.


Psiquiatria Infantil.com.br - Todos os direitos reservados © 2006 - 2020   Política de Privacidade   Termos e Condições de uso   Reprodução de conteúdo   Informações
Prof. Dr. Francisco Baptista Assumpção Jr.
Rua dos Otonis, 697 - São Paulo - SP
Telefone: (11) 5579 2762 - Tel/FAX: (11) 5579 7195
www.psiquiatriainfantil.com.br

Voltar ao Topo