em




       Receba nossos boletins em
       seu e-mail:




  Cadastre-se em nosso site, divulgue
  sua clínica, encontre artigos, cursos,
  escalas, congressos, vídeos, teste
  seus conhecimentos...
                         Saiba mais




  Grupo de discussão para troca de
  informações entre mães, boletins de
  orientação, serviços de atendimento
  a deficientes...
                         Saiba mais

Enquete

Destaque

Livros

Busca rápida

Informações

Ferramentas
A influência dos amigos no consumo de drogas... - 16/05/2016
Internacionalização da investigação e do ensi... - 16/05/2016
Tipo de ensino e autoconceito artístico de... - 16/05/2016
Recasamento: percepções e vivências dos... - 16/05/2016
Criança no tratamento final contra o câncer... - 16/05/2016
Relação entre bullying e sintomas depressivos... - 16/05/2016
Desempenho operatório de crianças com queixas... - 16/05/2016
Cuidado e desenvolvimento em crianças escolar... - 16/05/2016
A relação mãe-criança durante o atendimento... - 16/05/2016
Escala de Estratégias de Coping na adolescên... - 16/05/2016
Estudo indica que autismo pode ser identifica... - 11/08/2015
A criança com autismo... - 11/08/2015
Esporte: uma arma infalível no tratamento do... - 11/08/2015
Médicos e pais enfatizam importância do di... - 11/08/2015
Alunos autistas do Recife recebem aulas com r... - 11/08/2015
Escola municipal do Recife limita frequência... - 11/08/2015
O mundo de uma garota com autismo... - 11/08/2015
Estudante com autismo passou 5 anos sem con... - 11/08/2015
Estudo genético liga inteligência a risco de... - 11/08/2015
Monumentos ficam azuis para o Dia Mundial do... - 11/08/2015

Bookmark e Compartilhe
Biblioteca de Pais
DEPRESSÃO NA INFÂNCIA

Francisco B. Assumpção Jr.

10 de julho de 2008

DEPRESSÃO NA INFÂNCIA

 

                                               Francisco B. Assumpção Jr.

 

            Todos aqueles que têm hoje mais de 30 anos de idade, com certeza se lembram de um desenho animado onde um leão e sua companheira, uma hiena, viviam diferentes aventuras.

            Um dos pontos mais marcantes era Hardy, a hiena, que passava todo o tempo dizendo

            - "Oh, dia! Oh, céus!Oh, azar! Nós não devíamos ter vindo...

            Pois bem, Hardy, a hiena, pode ser considerado o portador daquilo que chamamos hoje de doenças afetivas, dentro das quais se inserem os quadros de depressão.

            Esses quadros podem acontecer também em crianças caracterizando-se por uma tristeza intensa (humor depressivo), falta de interêsse e prazer pelas atividades que habitualmente executava (anedonia), cansaço fácil, dificuldades de concentração e idéias de desvalia associadas a inquietação.

            Junto com esses sintomas podemos observar também, e com alguma frequência, sintomas físicos tais como dores de cabêça e de estômago. Porém, talvez o sinal que mais chama a atenção da família é um humor irritado, chamado pelos especialistas de disforia, e que se percebe pela mudança do comportamento. Ou seja, aquela criança boazinha e educada se transforma, sem motivo aparente, numa criança irritada, respondona e, muitas vezes, meio insuportável.

            A frequência  desses episódios em crianças é variável conforme a idade, indo desde aproximadamente 0,9% em pré-escolares e 1,9% em crianças em idade escolar, até 4,7% em adolescentes, segundo alguns estudos.

            As causas desses quadros, embora ainda não totalmente esclarecidas , encaminham-se, hoje, mais na direção dos aspectos biológicos, encontrando-se uma maior frequência familiar (ou seja, a chance de um novo caso em famílias que já tem um membro com o problema é maior).

            Dentro das causas biológicas, as teorias sobre alterações  neuroquímicas , talvez sejam as mais importantes atualmente.

            Entretanto, o diagnóstico de depressão  na infância e na adolescência não é   fácil, exigindo do especialista bastante experiência e, muitas vezes,  exames laboratoriais, uma vez que muitas outras condições médicas podem mimetizar o quadro.

            Da mesma maneira que não podemos deixar de considerar o período de desenvolvimento em que a criança se encontra, bem como as situações de vida que ela atravessa, não podemos deixar de excluir outras patologias psiquiátricas como esquizofrenia, também de difícil diagnóstico na criança.

            Finalmente, ao pensarmos que as principais teorias atuais se encaminham  para causas predominantemente biológicas, o tratamento naturalmente será realizado primáriamente através de medicamentos que, não precisa se preocupar, nào causam dependência ,nem serão tomados por toda a vida.

            As abordagens psicológicas, tais como a psicoterapia,  podem ser utilizadas, embora hoje não sejam apontadas como  possibilidade de tratamento único nesses quadros.

            Finalmente, não tenha medo. Embora muitas vezes a depressão em crianças e adolescentes possa ser recorrente, ou seja, ocorrerem vários episódios, ela é passível de tratamento e seu filho poderá ter, desde que tratado, uma vida completamente normal, sem nenhum prejuízo.

            Portanto, qualquer dúvida, procure um especialista.

 

 

 

 


Psiquiatria Infantil.com.br - Todos os direitos reservados © 2006 - 2020   Política de Privacidade   Termos e Condições de uso   Reprodução de conteúdo   Informações
Prof. Dr. Francisco Baptista Assumpção Jr.
Rua dos Otonis, 697 - São Paulo - SP
Telefone: (11) 5579 2762 - Tel/FAX: (11) 5579 7195
www.psiquiatriainfantil.com.br

Voltar ao Topo