em




       Receba nossos boletins em
       seu e-mail:




  Cadastre-se em nosso site, divulgue
  sua clínica, encontre artigos, cursos,
  escalas, congressos, vídeos, teste
  seus conhecimentos...
                         Saiba mais




  Grupo de discussão para troca de
  informações entre mães, boletins de
  orientação, serviços de atendimento
  a deficientes...
                         Saiba mais

Enquete

Destaque

Livros

Busca rápida

Informações

Ferramentas
A influência dos amigos no consumo de drogas... - 16/05/2016
Internacionalização da investigação e do ensi... - 16/05/2016
Tipo de ensino e autoconceito artístico de... - 16/05/2016
Recasamento: percepções e vivências dos... - 16/05/2016
Criança no tratamento final contra o câncer... - 16/05/2016
Relação entre bullying e sintomas depressivos... - 16/05/2016
Desempenho operatório de crianças com queixas... - 16/05/2016
Cuidado e desenvolvimento em crianças escolar... - 16/05/2016
A relação mãe-criança durante o atendimento... - 16/05/2016
Escala de Estratégias de Coping na adolescên... - 16/05/2016
Estudo indica que autismo pode ser identifica... - 11/08/2015
A criança com autismo... - 11/08/2015
Esporte: uma arma infalível no tratamento do... - 11/08/2015
Médicos e pais enfatizam importância do di... - 11/08/2015
Alunos autistas do Recife recebem aulas com r... - 11/08/2015
Escola municipal do Recife limita frequência... - 11/08/2015
O mundo de uma garota com autismo... - 11/08/2015
Estudante com autismo passou 5 anos sem con... - 11/08/2015
Estudo genético liga inteligência a risco de... - 11/08/2015
Monumentos ficam azuis para o Dia Mundial do... - 11/08/2015

Bookmark e Compartilhe
Biblioteca de Pais
DESEJO DE SER MODELO

Francisco B. Assumpção Jr.

6 de agosto de 2008

 

 

 

 

DESEJO DE SER MODELO

 

                                                                           Francisco B. Assumpção Jr.

 

 

                Os primeiros anos deste século, entre outras coisas, podem ser caracterizados por um culto a beleza e a juventude.

                Assim, trazem consigo uma supervalorização dessas categorias que, passam então a ser incentivadas econômicamente e, em conseqüência, familiarmente, uma vez que as famílias tentam sempre fazer de seus filhos elementos de sucesso e de realização social e econômica.

                Quando nasce uma criança seus pais projetam sobre ela fantasias, muitas vezes inconscientes, de poder, sucesso e realização que, em  muitos casos, correspondem a frustrações  dos próprios genitores. Assim, em uma sociedade que considera sucesso e realização pessoal como sinônimo de poder e dinheiro, fica claro que esse passa a ser o objeto de interesse familiar.

                Assim, duas são as maiores possibilidades, em nosso país, dessa realização a curto prazo e com considerável benefício.

                Uma é o caminho do esporte, para o qual são encaminhadas uma considerável parcela de crianças e que, com o devido estímulo e a devida dedicação, podem obter aquele sucesso tão desejado, pincipalmente nas camadas menos favorecidas da população onde o investimento de tempo e dinheiro necessários para a aquisição de cultura torna-se demasiado.

Outro caminho, ligado também às mesmas questões, passa pelo aspecto estético.

Todos os pais orgulham-se de filhos bonitos, que sejam reconhecidos por todos e, mais ainda, se esse padrão de beleza é recompensado, de forma muitas vezes régia, pela sociedade.

Assim, abrem-se as portas para a possibilidade do sucesso precoce e o conseqüente encaminhamento daquela criança na vida produtiva de uma sociedade capitalista.

Uma única questão deve ser considerada, a criança.

Uma criança é ainda um ser em desenvolvimento que deve necessáriamente passar pelo seu processo de desenvolvimento cognitivo e afetivo de maneira coerente e integrada.

Para isso deve ter condições de interagir com outros indivíduos da mesma idade, compartilhando experiências e possibilidades.

O trabalho infantil, e temos que considerar que ser modelo constitue igualmente em trabalho infantil, priva a criança de um padrão de desenvolvimento similar ao das demais crianças, fazendo com que ela  ao invés de participar de atividades normais para a sua idade passe a dividir interêsses com o adulto, muitas vezes ainda sem ter condições de avaliar corretamente aqueles valores, o que prejudicará, consideravelmente, seu posterior desenvolvimento.

                É curioso que, ao mesmo tempo em que criticamos e propomos propostas de punição para o trabalho infantil menos privilegiado ( como por exemplo o das crianças que são exploradas nas fábricas ou nas lavouras), fato esse que realmente deve ser evitado, fechamos nossos olhos para essa outra atividade que, embora estéticamente mais bonita e econômicamente mais diferenciada, não se difere da exploração do trabalho da criança que, levada pelos pais e por interêsses puramente econômicos, é desvirtuada em sua infância e sua ingenuidade.

                Cabe portanto pensarmos, sem nos deixarmos levar pela sedução do dinheiro e do sucesso, na necessidade de cuidarmos da criança como um ser em desenvolvimento, dignos de consideração e de não ser explorado pelo sistema que nos cerca.


Psiquiatria Infantil.com.br - Todos os direitos reservados © 2006 - 2020   Política de Privacidade   Termos e Condições de uso   Reprodução de conteúdo   Informações
Prof. Dr. Francisco Baptista Assumpção Jr.
Rua dos Otonis, 697 - São Paulo - SP
Telefone: (11) 5579 2762 - Tel/FAX: (11) 5579 7195
www.psiquiatriainfantil.com.br

Voltar ao Topo